Refracções: Julho 2009

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Pedaços...

Quando o cristal
do mais fino
e natural recorte
que trazemos
em nós,
nas nossas mãos,
se parte...
o que fazer?

Juntar os pedacinhos
que se vêem
e se podem tocar,
entre nossos dedos...
e tentar-lhes devolver
o pouco brilho
que lhes resta?

Deixá-los no chão,
como quadro perfeito,
dramático e real,
de um sonho que se fez
e em um instante brutal
se desfez?

Ou...
de entre todas as contas
brilhantes e estáticas
adornando o chão,
escolher as menos ameaçadoras,
as que impondo o risco
não arriscam as nossas mãos?

Mais uma pequena destruição
num mundo violento e animal,
efémero,
quente e frio,
doce e amargo.


Num mundo comandado pela vontade (ilusória), impõe-se escolhas...

Escolhas, algumas, capazes de estilhaçar a nossa alma, e nos deixar quebrados.

Quebrados em pedaços que só o tempo pode colar, sem nunca esconder as suas falhas.