Refracções: Janeiro 2009

sábado, 24 de janeiro de 2009

Algumas palavras... e outras tantas citações...

De toda a vida que eu venho experimentando, e, ainda mais com o meu programa terminado, pelo menos até novas modernices me obrigarem a actualizá-lo, tornei-me um pequeno, infímo, e ávido coleccionador de pensamentos, de que frases que falam a vida e expressam-na segundo a alma e o entendimento que quem as profere.

E assim apresento mais umas citações...



"The secret is to use technology to make your life easier, not more complicated; to facilitate, not dominate."
Claudine Beaumont

Esta fala dos nossos tempos, tão governados pelas tecnologias, pelas posses, pelos estatutos e facilitismos, que nos vamos perdendo no seu turbilhão. Resistir é difícil, mas mesmo devemos tentar preservar um pouco de nós no nosso intímo, um pouco de nós reservado à nossa solidão.


"Nos domínios que nos importam, a intuição acontece apenas como um relâmpago. O texto é, muito depois, o ressoar do trovão."
Walter Benjamin


Quem escreve pelo menos uma palavra sabe o quanto é díficil ajustar as palavras às nossas ideias, aos pensamentos incessantes que nos assombram. E por pequenas observações se dá o devido mérito a fenómeno tão árduo.


"Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer."
Molière


Uma verdade acerca do trabalho. E da nossa relutância em aceitar alguns. :p


"All ilusion fall short, it only depends on how short it falls."
Miguel Vilhena


Como algumas pessoas dizem várias vezes - "o pensamento surgiu-me inexplicávelmente mente em inglês" - e assim aconteceu.
Esta pequena citação fala de ilusões... Boas ou más... sem conotações. Apenas fantasmas que nos envolvem para nos deixar.



"Randomness is like beauty, only in the eye of the beholder."
Anónimo


Será? E que implicações tem isso nas nossas vidas, e, mais importante, nas nossas ideias?


"Nós somos inocentes do que aprendemos, mas culpados do que ensinamos."
Miguel Vilhena


Um pensamento acerca da aprendizagem... Num mundo habituado ao binómio causa-efeito e à desresponsabilização egoísta das pessoas, convem lembrar as implicações que as nossas vidas, e os nossos gestos têm na vida dos outros. Na inocência com que aprendemos, e na violência com que tantas vezes ensinamos.


Espero que tenham gostado destes pequenos pensamentos...



Beijos e abraços a todos  :)

Jeust

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Sabedoria

"O caminho do excesso leva à torre da sabedoria."

Muitos de nós já ouvimos esta frase enigmática de William Blake, por entre a sua exaltação aos vícios mundanos, e pressentimos um leve conforto de saber que os nossos pecados nos trazem um bocadinho mais de conhecimento.

Mas se destes gestos nasce conhecimento, seguramente também nascerá ignorância. 

Pois traçar um caminho implica, olvidar outro.

Viver uma emoção implica a inexistência de outra.

Mudamos e somos mudados pelas escolhas que fazemos.

Os nossos limites, as nossas capacidades projectam-se no relevo do percurso escolhido.

Somos o que escolhemos.


Esta é, a sombra, escondida e inevitável, que estas palavras encerram...

Assim como a verdade subliminar a cada escolha.




Beijinhos e abraços...

Jeust